Jornal Antena - Encantado RS

Monday, Dec 09th

Last update03:55:21 PM GMT

Você está na seção:

Dia dos Pais - Um momento, um presente, uma atitude: um pai

E-mail

Ele esteve lá no seu nascimento, acompanhou seus primeiros passos, suas primeiras palavras, velou seu sono e te viu crescer. O pai não é apenas o progenitor, muitas vezes, ele é o melhor amigo, conselheiro, colega de profissão, um mestre e um porto seguro. Nem sempre ele é uma figura presente. Às vezes, viaja muito, outras, infelizmente, não participou do desenrolar da vida do seu filho. Mas daquele pai que sempre esteve conosco, todos temos alguma lembrança, independente de já não estar mais entre nós ou de continuar aqui, nos apoiando sempre.

No domingo, dia 12 de agosto, é Dia dos Pais, e para marcar a data, o Jornal Antena conversou com filhos – alguns que até já são pais – para resgatar a melhor lembrança que cada um tem do seu progenitor.

 Pai: Aires Robetti, falecido há três anos, aos 80 anos de idade

Filha: Claudia Robetti Moriggi, 34 anos
Município: Muçum
“Me lembro com muita saudade dos momentos de pescarias com meu pai no rio Taquari e na fronteira. São momentos dos quais ficaram boas e saudosas lembranças”.

Pai: Almir Alberto Vigolo, 55 anos
Filha: Bárbara Vigolo, 23 anos
Município: Roca Sales
“Um momento que ficará guardado na minha lembrança aconteceu em novembro do ano passado. Ele chegou até mim, e disse “Hoje dei minha última volta na ambulância”. Eu fiquei surpresa, pois não sabia o dia certo que isso iria acontecer. E então eu disse, “Pois é pai, você vai sentir muito falta né?” Ele respondeu, “É claro! imagina quantas corridas, quantas pessoas, são 34 anos, uma vida” (ele falou com os olhos cheios de lágrimas). A lembrança que tenho dele na verdade, é sempre ajudando as pessoas, depois de ter realizado um sonho que foi a abertura do lar, no qual continua fazendo o que ele realmente gosta, com muito amor e cuidado. Ele é excelente nisso!”

Pai: José Carlos Rizzi,
53 anos
Filha: Giane Carla Rizzi, 24 anos
Município: Doutor Ricardo
“A minha melhor lembrança do meu pai é da minha infância, quando ele me colocava nos telhados para brincar. Eu não tinha medo, e era super divertido”.

Pai: Marciano Salini, 52 anos
Filha: Tuana Denardi Salini, 26 anos
Município: Relvado
“Quando tinha uns quatro anos, tive meningite. Foi um momento complicado, pois eu estava sem andar; passei o Natal hospitalizada, e ganhei minha primeira bicicleta. Sem poder sair do hospital, meu pai me levou andar pelos corredores.

Pai: Jorge Antônio Kummer, 62 anos
Filha: Camila HelenaKummer, 30 anos
Município: Roca Sales
“Minha melhor lembrança é por ter um pai super presente, inúmeras são as lembranças que carrego comigo. Havia um tempo em que vinha na memória os presentes recebidos...hoje quando lembro-me da escova de dente com o creme dental me esperando pela manhã, das manhãs de domingo que me chamava para ir à missa onde minha vontade era dormir, da presença dele nas reuniões de escola... percebi que estes momentos simples foram os melhores e hoje não tenho dúvida alguma de que estas são as lembranças mais importantes, na qual recordo com um carinho enorme e uma gratidão imensa, pois estes gestos simples me ensinaram muitos valores importantes, que sempre levarei comigo com muito orgulho.”

Pai: Braulio Rother, 51 anos
Filho: Willian Rother, 26 anos
Neta: Sophia Rother, 2 anos
Município: Roca Sales
“Prefiro não falar em uma lembrança, mas falar do forte orgulho que sinto do meu pai. Orgulho em saber de onde veio, das suas origens, da simplicidade, da força de vontade de conquistar tudo que conquistou até hoje, e o que ainda tem pra conquistar. Orgulho em saber que é uma pessoa que sempre ajuda aos outros sem pedir nada em troca. Aquele que me ensinou que todo mundo erra, inclusive ele, mas me ensinou a aprender com os erros. Todo pai deveria ser como você, seguir seu exemplo. Aliás, todos homens deveriam imitar seu jeito de viver e conviver com as pessoas. Tenho certeza que o mundo seria um local bem melhor pra viver. E eu, hoje como pai, levo aquela frase da música Pilares, de Oswaldir e Carlos Magrao - Me ajuda PAI, quero criar meus filhos, do jeito que meu pai criou a mim. Simplesmente isso. Forte abraço. Te amo, pai!”

Pai: Ademar Nichel, 57 anos
Filha: Caroline Nichel, 22 anos
Município: Relvado
“Na frente da casa que morávamos, existia um cipreste enorme, que além de reunir a família embaixo de sua sombra, tinha um balanço feito com tábuas de madeira e cordas, uma coisa tão simples, mas com um significado infinito. Meu pai sempre me balançava e eu sempre pedia para ir mais alto”.

Pai: Valdir Morás, 60 anos
Filha: Caroline Morás Zanetti, 29 anos
Município: Encantado
“Lembro-me de que quando criança, meu pai sempre falava que a vida não seria fácil, quais obstáculos encontraria na minha vida adulta e que ele sempre disse “Le bonora ancora” (é cedo ainda)... Todos os ensinamentos agora estão na minha rotina e aprendizado....O “Le bonora ancora”, agora faz sentido, pois só no dia a dia pra saber dar valor aos ensinamentos adquiridos. Obrigada, pai, pelos conselhos. Te amo!”

Pai: Claudir Frozza, 59 anos
Filho: Clóvis Frozza, 35 anos
Neta: Lívia Scottá Frozza, 1 ano e 3 meses
Município: Muçum
“Quando o termo ‘pai’ é analisado unicamente com a óptica de um filho, não temos a real noção do que é a essência, a grandiosidade e a importância dessa missão, somente passamos a entender a força da ligação paternal quando deixamos de ser apenas filhos e nos tornamos pais, pois acredito que apenas estaremos dando um nobre sentido à nossas vidas no momento em que dedicarmos todos nossos esforços para proteger alguém, de maneira especial proteger nossos filhos. É incrível, pois as minhas lembranças mais fortes e intensas tanto como filho quanto pai remetem a uma mesma situação. Talvez minha única lembrança do tempo de bebê seja deitar no peito de meu pai e me sentir aliviado das dores e medos. Logo que minha filha nasceu, esta foi uma das primeiras lembranças, o instinto, os cheiros, o toque me levam a repetir o mesmo gesto com minha filha.

Pai: Erni Luiz Mezaroba, 52 anos
Filha: Patrícia Suelen Mezaroba Rosolen, 26 anos
Município: Vespasiano Corrêa
“Meu pai...homem de muitas palavras, preocupações e sempre cheio de ideias. Desinibido e muito comunicativo. Sua marca registrada é seu inseparável chapéu. E hoje serve de exemplo de determinação e força de vontade para quem o conhece. Feliz dia dos pais, com amor seus filhos Patrícia e Júnior”.

Pai: Artidor Casagrande, 82 anos
Filho: Nadia Casagrande, 40 anos
Município: Encantado/Vespasiano Corrêa
“Dentre muitas lembranças boas que eu tenho do meu pai, uma delas é de quando ganhei minha primeira bicicleta. Meu pai chegou com ela em casa e nós estávamos no horário do recreio na escola, saímos em disparada na direção de casa,(até porque tínhamos meia hora de intervalo e a casa ficava a 10 minutos da escola). Era uma bicicleta vermelha, sem rodinhas de apoio lateral. Era linda! Pensa na disputa eu e meu irmão, hahahahaha, a gente se estapeava pra ver quem ia andar com ela. Sabe como são as crianças, numa hora dessas a bicicleta não era mais só minha, era também do meu mano mais novo. Meu irmão empurrava a bicicleta e eu, mesmo não conseguindo guiar, dava sempre um jeito. Ela não era muito grande mas mesmo assim eu não conseguia alcançar os pedais sentando no banco.Mas isso não me impedia de andar.Eu sentava no assento do garupa da bicicleta, fazendo muita força pra alcançar o guidão pois meus braços eram curtos demais. Como a vontade de andar de bicicleta era maior do que as dificuldades em função do meu tamanho,quando sobrava um tempo lá ia eu andar de bicicleta e acabava por deixar de fazer os serviços que meu pai e minha mãe na época pediam pros filhos fazerem.Depois da bicicleta veio o carrinho de lomba, a perna de pau, as canoas de coqueiro e outras coisas que se eu citar vai até amanhã”.

Pai: Amilton Vallandro
Marçal, 74 anos
Filho: Luiz Clos Vallandro
Marçal, 39 anos
Município: Encantado
“Tenho muitas boas lembranças do meu pai. Ele sempre foi e é um pai presente. Sempre falou que não iria nos deixar riqueza, mas sim poderia nos dar estudo. Nos deu uma boa qualidade de vida. É uma pessoa muito honesta, calmo, inteligente, fiel aos seus amigos.
Não fala muito, mas observa
demais. É um pai incrível”.

Pai: Ervino Consatti, 69 anos
Filha: Veridiane Consatti Bertol, 42 anos
Município: Coqueiro Baixo
“Quando eu era criança, lá por cinco ou seis anos de idade, eu tinha muita dor de ouvido. Meu pai me segurava no colo e colocava as mãos no meu ouvido. Isso acalmava a dor. Nunca vou esquecer disto”.

Pai: Noeli Domingos Pederiva, falecido há 15 anos, anos 51 anos de idade
Filho: Camila Pederiva Dalprá, 30 anos
Município: Encantado
“Quando eu era criança, com cerca de cinco ou seis anos, meu pai tinha um frigorífico, e frequentemente ia para a fronteira buscar gado com o seu caminhão boiadeiro. Muitas vezes eu ia junto, cheguei até a faltar aulas para poder acompanhá-lo, e dormíamos na cabine. Em uma destas viagens, fomos em um senhor que tinha ovelhas. Uma destas ovelhas ainda era pequena e o senhor me deu esta ovelha. Lembro que trouxemos ela dentro do caminhão e eu vinha dando mamadeira para ela, o que fizemos até ela ficar grandinha. Estas viagens são uma lembrança muito marcante e feliz que tenho do meu pai”.

Pai: Jorge Luiz Bratti, 62 anos
Filho: Jonathan Cesar Bratti, 29 anos
Município:Roca Sales
“A melhor lembrança que tenho com meu pai, dentre tantas,aconteceu em uma tarde da minha infância, enquanto eu estudava. Meu pai foi ao colégio me buscar no meio da tarde para eu ir pela primeira vez ao Olímpico ver o Grêmio. Eu já era torcedor na época, muito por causa do meu pai e ver a torcida e o estádio naquela noite foi memorável, subi nos ombros dele e gritei o mais alto que podia, lembro também de praticamente toda a viagem, e voltar tarde da noite, pra quem dormia sempre as 21h, foi incrível”.

Pai: Valdomiro Mangold, 62 anos
Filho: Rosangela Mangold, 43 anos
Município: Encantado
“Minha melhores lembranças foram as férias na Lagoa de Bacupari. Lá reunimos uma grande parte da família. Meu pai foi de caminhão e nós colocamos os colchões dentro. Dormimos todos juntos: pai, irmão, primos e primas. Foi muito divertido”.

Pai: Sérgio Taborda, 48 anos
Filho: Guilherme Taborda, 25 anos
Município: Muçum
“É difícil escolher, dentre tantas, uma lembrança boa de nosso pai, homem humilde, honesto, trabalhador, que sempre fez de tudo pela família, um exemplo de vida a ser seguido. Teus filhos Guilherme e Gustavo te amam e te admiram muito”.

Pai: Valmir Zambiasi, 69 anos
Filha: Sonia Zambiasi, 39 anos
Município: Coqueiro Baixo
“Uma das lembranças mais marcantes que tenho do meu pai é recente. Foi no ano passado, na formatura do Ensino Médio. Fiquei 18 anos sem estudar e faltava o 3º ano para me formar. Na minha formatura, minha irmã cantou e todos nós choramos. Ver meu pai chorando naquele momento me marcou muito”.

Pai: Orlando Vian, 61 anos
Filha: Caroline Vian,31 anos
Município: Nova Bréscia
“Meu pai é sinônimo de proteção, carinho, apoio e, quando cursava graduação não media esforços para me auxiliar nas atividades práticas. É meu maior exemplo de caráter, humildade e respeito”.

Pai: Sereno Brauwers, 65 anos
Filho: Ismael Brauwers, 33 anos
Netos: Luiz Eduardo Nunes Brauwers, 11 anos, Luiz Gustavo Nunes Brauwers, 4 anos
Município: Roca Sales
“As minhas melhores lembranças dos meus filhos foram o dia do nascimento deles e o dia em que meu guri ficou, pela primeira vez, campeão no futebol pegando o pênalti da final. Foi emocionante. A primeira apresentação do Dia dos Pais no colégio também foi marcante. O meu pai sempre esteve junto em todos os momentos, mas um em especial foi quando em 1995 ganhei a medalha de goleiro menos vazado e ele estava lá para colocá-la no meu peito, tinha apenas 10 anos mas marcou”.

Joomla Templates and Joomla Extensions by JoomlaVision.Com

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar